(11) 97534-5688 - (11) 3831-3020 contato@dantasemartins.com.br

Matéria original publicada em www.istoedinheiro.com.br

Tendo em vista a pandemia de COVID-19 e as altas taxas de ocupação de UTIs em todo o Brasil, as unidades de atendimento veterinário podem suspender as cirurgias eletivas a fim de reduzir o uso de  insumos, como medicamentos e oxigênio.

O posicionamento do CFMV (Conselho Federal de Medicina Veterinária) é de que desde o início da pandemia em março de 2020, os médicos veterinários têm contribuído voluntariamente com os órgãos de saúde, seja para o empréstimo de equipamentos veterinários compatíveis com o uso humano (como ventiladores mecânicos, monitores multiparâmetros e concentradores de oxigênio), seja para a cessão de anestésicos de clínicas veterinárias voltados ao atendimento de pacientes com COVID-19, e até mesmo integrando equipes multidisciplinares na linha de frente ao combate da pandemia.

Como são profissionais de saúde, os médicos veterinários foram autorizados pelos governos federal e estaduais a manterem o atendimento em clínicas e hospitais veterinários, sempre respeitando as determinações das autoridades locais a fim de diminuir o risco de exposição ao vírus.

Nesse sentido, o CFMV recomendou, em nota divulgada em março do ano passado, que os serviços que não fossem de urgência e emergência deveriam ser reprogramados, afastando a exposição desnecessária em momentos críticos de propagação do novo coronavírus, orientando, inclusive, que os tutores evitassem visitar os animais internados.

O posicionamento do órgão foi o seguinte: “ Como princípio fundamental, todos os médicos veterinários devem estar atentos para que, diante de suas realidades locais, possam identificar e tomar medidas visando contribuir para melhorar as condições de bem-estar, saúde animal, humana e ambiental em equilíbrio com os padrões dos seus serviços”, finalizou a nota do CFMV.

Para o Conselho Regional de Medicina Veterinária do Estado de São Paulo (CRMV-SP), “o movimento de interromper as cirurgias eletivas pode ser um bom caminho para ajudar a [controlar] a pandemia, mas o veterinário já está ajudando em diversas outras frentes como na pesquisa, na disponibilização de equipamentos que podem ser usados na UTI, o veterinário agora está disponibilizando as fábricas de vacina animal para o produção de vacina para covid-19. Então a posição oficial do Conselho é o uso do bom senso para não comprometer a saúde animal.”

Clique aqui para acessar a matéria na íntegra.